Observatório da Jihad


26.8.06

Misóginos e criminosos

Para o seu pai, Hina Saleem era uma «puta» - como o são, para muitos muçulmanos, as mulheres ocidentais - porque namorava um italiano católico, fumava, trabalhava e vestia-se como aparece na foto. Por isso, o pai e o cunhado degolaram-na de acordo com o preceito corânico. No final devem ter gritado Allah u Akbar.

21 Comments:

At 15:32, Blogger Virus said...

Então, então Sliver?...

Deixem lá os meninos defender a sua cultura... aposto que o BE e os defensores destes senhores vão gritar que eles têm todo o direito de fazer o que fizeram... afinal são uns pobres coitados explorados e oprimidos pelo Ocidente e pelos sionistas!

E viva o Islão... não é grandes anónimos defensores da liberdade e da vida?...

 
At 19:02, Anonymous a20 said...

Realmente .
Por uns desenhos fazem tudo e mais alguma coisa.
Pela vida humana, é o que se vê, quando se vê. Quando não se vê nem se sabe nem se suspeita.
a20.

 
At 20:09, Anonymous Máquina Zero said...

Mais uma vítima da tolerância multiculturalista da Europa....

 
At 20:22, Anonymous Anónimo said...

Vejam então o que a Biblia diz em questões de "honra", tal como se tipifica este crime:

Crimes de Honra na Bíblia.

Pelo que sei o Alcorão não permite assassinar alguém por questão de honra. A Bilia judaica permite conforme demonstra o link encima.

Ainda se assassinam pessoas por questões de honra na India, na Sicília, nos Balcãs, etc. Não se cometem estes crimes só entre muçulmanos, embora haja uma apetência para ligar estes crimes somente a muçulmanos.

 
At 20:39, Blogger Sliver said...

O que diz o Corão seria irrelevante se, em pleno séc. XXI, não fosse interpretado à letra pelos seus fervorosos crentes, coisa que actualmente não acontece com nenhuma grande religião. Logo, é impossível estabelecer paralelos de prática religiosa, sem qualquer critério como evidencia o comentário anterior.

 
At 20:44, Blogger Sliver said...

Ainda em relação ao mesmo comentário o autor fala de crimes de honra. Crime? Que crime é que Hina Saleem cometeu? Há aqui cada besta a comentar!!!

 
At 21:00, Anonymous Anónimo said...

Vê-se que o Sliver não entendeu ou finge que não entendeu. Claro que o crime foi cometido pelo pai.

A Biblia judaica diz:

Levítico 21:9 E se a filha dum sacerdote se profanar, tornando-se prostituta, profana a seu pai; no fogo será queimada.

Afinal não é o Alcorão que diz que a filha neste caso é "prostituta", mas sim a Bíblia judaica, a mesma que também os cristãos usam. A filha neste é queimada no fogo.

Sliver: Quer que eu apresente aqui exemplos destes crimes cometidos noutras religiões, cujos links encontrará na Net?

O paquistanês disse algum lado que o Islão autorizou-o a assassinar a sua filha? Claro que não, mas posso dar-lhe exemplo de um judeu que matou a sua filha instigado pelo rabi.

 
At 22:57, Blogger António said...

Não esqueça, Sr. Anónimo, que o Islão reconhece como livros sagrados, para além do Corão, também o Pentateuco (atribuído a Moisés), a Torá, os salmos e os evangelhos. Por isso falam os muçulmanos de "povos do livro" (abrangendo assim cristãos e judeus).
A grande diferença entre esses vários povos é que os muçulmanos continuam a lê-lo de forma literal - e isso é o chamado fundamentalimo. Também existe fundamentalismo entre cristãos e judeus, mas de forma muito mais incipiente, ao menos a crer no volume de notícias que origina. Se algum judeu matou a sua filha instigado pelo Rabi, violou de certeza a lei do seu país e cometeu um acto socialmente condenado na sua comunidade. O muçulmano mencionado no post, esse limitou-se a cumprir um dos preceitos da sua religião sendo que, como muçulmano, não aceita obediência a outra lei que não seja a charia.
Quanto a mim, ateu nos maus dias e agnóstico nos bons, há uma coisa que me revolta: é ser condicionado, ver a minha vida afectada pelos efeitos globais das vossas superstições.

 
At 23:33, Anonymous Anónimo said...

Diga-me António onde é que foi buscar a informação que o paquistanês fundamentou o assassinato de sua filhão usando como base de legitimidade a sua religião, o Islão?

Lá porque Sliverm e outros com agenda semelhante, dizem uma coisa, não quer dizer que os factos se tornem reais.

É que caimos aqui num erro muito grave de culparmos a religião pelos actos de indivíduos.

António: diga-me onde diz no Alcorão que se pode matar alguém por questões de honra?

Quanto ao judeu que assassinou a sua filha, este muito certamente baseou-se na Bíblia que conforme indiquei permite este tipo de assassinatos.

 
At 23:58, Anonymous Anónimo said...

Só uma coisa António: quem anda aqui apregoar a superioridade das outras religiões em relação ao Islão é Sliver. O que estou a comprovar aqui é que a religião dos amigos sionistas de Sliver não é nada superior.

Se não a praticam, não acredito. Por exemplo a lei da agunah aplicada no estado "democrático" de Israel. Talvez Sliver elucide-nos sobre agunah...

 
At 03:31, Blogger Virus said...

Caro anónimo,

concordo consigo que há muitas pessoas assassinadas por questões de honra de outras religiões, até mesmo na católica...agora diga-me lá qual é a proporção por habitante em que isso acontece nas civilizações ocidentais, e compare-a com a das civilizações muçulmanas!

Você pode pôr aqui 10 links a dizer que judeus mataram as filhas porque desonraram a família, e eu ponho aqui 2500 links com o mesmo sobre os muçulmanos... e a que é que isso leva? Nada...

Quando você sair da puberdade, e partir para a vida a sério, quando tiver o seu primeiro contacto real com a morte violenta em locais onde você anda todos os dias a pensar que está seguro e de repente... e deixar de viver apenas aquilo que vê na televisão... aí talvez venha a compreender aquilo que por aqui dizemos... até lá...

 
At 13:50, Anonymous Anónimo said...

Vírus: peço a si e outros que comprovem que o Alcorão permitiu o assassinato desta rapariga. Já lhe demonstrei o que a Bíblia diz. Comprove-me que o pai da rapariga disse que fez isto em nome do Islão.

Este blogue, e os que o apoiam, são mesmo desonestos. A agenda é fazer crer que somente os judeus são boa gente. Creio que há gente boa entre todos os povos e crenças. Agora, o problema é que vocês só vêem um lado das coisas, e não colocam pelo menos espelhos para vêr o outro lado.

Sabia que o ataque indiscriminado contra civis, é autorizado pela Lei judaica? O que vimos acontecer no Libano faz parte da crença judaica, e está autorizado pela Lei judaica. Os civis são considerados alvos legitimos pela Lei judaica.

Mostre-me no Alcorão onde é que diz que os civis são alvos legítimos?

 
At 14:37, Anonymous Anónimo said...

om om om

 
At 15:02, Blogger Virus said...

Grande anónimo,

meta os seus livros religiosos no... armário! E viva a vida que tem! :)

Caso não tenha reparado há sociedades que, felizmente, não se guiam por eles, e o Islão não é uma delas...

 
At 15:19, Anonymous Lund said...

Anonymous, os Katyusha do Hezbollah terão então o mais miserável mecanismo de orientação. Porque não acredito, já que os muçulmanos são impedidos de atingir civis, que, de tantos mísseis lançados sobre Israel, nenhum tivesse atingido um alvo militar... Parecia mesmo que estavam a lançá-los unicamente sobre zonas civis. Ah, e relembrando sempre todos os cerca 4000 militares mortos no 11 de Setembro de 2001, no World Trade Center em Nova Iorque.

 
At 15:34, Anonymous Anónimo said...

E Hizbullah justificou os ataques baseando-se no Alcorão? É que o conselho dos Rabis justificou por exemplo o massacre de Canaã, que não existiam alvos civis no Líbano, os civis eram considerados alvos legítimos.

E quantos afegãs foram mortos como consequência de 11 de Setembro. Pelo menos 150.000. E quantos iraquianos já morreram? Os EUA são o mesmo país que se atreveu a utilizar bombas atómicas contra alvos civis, cidades sem descriminar o número de civis que morressem. A culpa é do cristianismo por tantas mortes de civis?

 
At 17:01, Anonymous lund said...

e precisa de justificar? basta ler o manifesto deles e verificar:

"As for our culture, it is based on the Holy Koran, the Sunna and the legal rulings of the faqih who is our source of imitation (marja' al-taqlid). Our culture is crystal clear. It is not complicated and is accessible to all."

Ou será que naqueles minutos em que lançam os mísseis se tornam ateus?

Em consequência do 11 de Setembro, na Operação "Enduring Freedom", de Outubro de 2001 a Março de 2002, morreram cerca de 3500 civis.

No Iraque penso que as contas vão em 45000, mas basta ver qualquer noticiário para confirmar quem mata quem. Também não devem ser muçulmanos, porque estes 45000 mortos são, na sua esmagadora maioria, civis.

E é absolutamente condenável o uso de bombas atómicas. É primitivo e cobarde. Mas há um pequeno cálculo que deveria fazer: morreram, directa e indirectamente, 140,000 pessoas em Hiroshima e cerca de 115,000 em Nagasaki. Ora, só na China, em consequência da invasão e ocupação japonesa, morreram cerca de 9,130,000. Não estou a justificar o acto dos EUA, mas é só para enquandrar os acontecimentos.

 
At 10:57, Blogger Anthrax said...

Perdoem-me, mas apetece-me ser macabro e de péssimo gosto.

Cá vai:

Deve ser isto a que chamam "cordeiro halal", ou borrego, ou outra coisa qualquer que não pertença à categoria dos suínos.

 
At 00:09, Anonymous Anónimo said...

e o judeu com o cordeiro kosher, outro pensamento macabro... apeteceu-me dizer isto... vírus não foi influência, juro... os judeus não gostam de porco kosher correcto?

 
At 12:06, Blogger Virus said...

Ah fui fui... já se começa a pegar han? Isto é terrível... Eh! EH! EH!...

 
At 04:26, Anonymous Anónimo said...

judeu é um bicho filho da puta,e ainda fica atacando os muçulmanos.

GO HOME JEW !

 

Enviar um comentário

<< Home