Observatório da Jihad


19.8.06

Uma guerra perdida?

por Pedro Lomba
in Diário de Notícias, 19 Agosto 2006

Israel ganhou a guerra no Líbano? Não, Israel não ganhou a guerra no Líbano porque, na verdade, não a podia ganhar. Que espécie de vitória seria alcançável contra um inimigo como o Hezbollah, que ocupa e até aqui dominou, sem resistência, um Estado fraco como o Líbano, vive da ajuda do Irão e da Síria e se alimenta do ódio do islamismo radical ao Ocidente? O tempo das guerras rápidas, dos sucessos retumbantes de Israel já passou. Não estamos em 1967. E quando os críticos de Olmert o acusam de na prática ter comprometido, ou mesmo arruinado, a invulnerabilidade de Israel ignoram a óbvia realidade que nenhum Estado é hoje invulnerável ao islamismo radical. No Líbano não se podia esperar que Israel liquidasse com prontidão definitiva o Hezbollah. Isso, suponho, não era possível, como a curto prazo não é possível ne- nhuma democracia do mundo estar livre do islão ideológico e fanático. Desde o começo dos ataques no Líbano que Israel procurou a melhor de todas as soluções precárias: o enfraquecimento e a contenção do Hezbollah. Se isso será conseguido, vai depender do Governo do Líbano, do exército multinacional que irá vigiar a região, dos progressos diplomáticos na Palestina, do apaziguamento do Irão, do que puder ser feito contra o islão que quer a destruição do Ocidente. A paz de Israel é hoje mais delicada que no passado.

Esta fragilidade e realismo aplicam-se por inteiro ao Ocidente. Nos últimos cinco anos o terrorismo atacou, por exemplo, em Madrid e em Londres. Foi possível impedir outros atentados, como o suposto golpe de Londres. Vamos ter de viver com a ameaça do terrorismo, como temos vivido com outras ameaças. O Ocidente ainda está à procura da melhor forma de erradicar o terrorismo. Habituemo-nos por isso a avanços e retrocessos. O diplomata americano George Kennan antecipou uma vez que a Guerra Fria duraria 50 anos, contra os quatro da Primeira Guerra Mundial e os seis da Segunda. A Guerra Fria acabou de facto por durar quase 50 anos. O combate ao islamismo radical só agora começou. A incerteza de Israel também é a nossa.

4 Comments:

At 13:16, Anonymous Anónimo said...

La Quinta columna.....

 
At 21:06, Anonymous magano said...

Guerra perdida?
Não sei se a guerra será perdida, o certo é que até aqui Israel ganhou esta batalha, todos os objectivos foram cumpridos:enfraquecer a capacidade de agressão do Hezbollah, restabelecer a soberania do Estado do Líbano sobre todo o território, criar uma zona tampão a sul do rio Litani, faltando apenas o desarmamento desta milícia terrorista que se espera esteja a ser feita pelo exército Libanês.
Denunciaram as ligações perigosas do Hezbollah com a Síria e o Irão.
E por fim o mundo ficou mais esclarecido sobre a natureza da Jihad e seus objectivos.
Viva Israel, viva o Ocidente

 
At 16:09, Blogger miazuria said...

E porque nao comecar por acabar com a iminvasao selvagem de povos que nao partilham da nossa cultura e valores?

 
At 03:42, Blogger Virus said...

Vocês são todos uns racistas de extrema-direita... como eu!... Segundo uns analistas que andam por aí... e amantes de judeus sionistas...

 

Enviar um comentário

<< Home