Observatório da Jihad


27.10.06

A liberdade em causa...

Por experiência sabemos que o que acontece no resto da Europa, cedo ou tarde, acaba por chegar a Portugal. Atente-se nalguns números e factos relativos a outros países:

Grã-Bretanha: Nos próximos 10 anos a população muçulmana passará de 2 para 6 milhões. Neste momento já existem mais de 1.000 mesquitas. Londres transformou-se na Meca europeia e as autoridades calculam que existam no país entre 10.000 e 15.000 membros da al-Qaeda, dos quais 600 foram treinados no Afeganistão. Em 30 anos, o número de muçulmanos passou de 84.000 para 2 milhões. Os muçulmanos afirmam claramente que não se querem integrar.

Dinamarca: 200.000 imigrantes muçulmanos, anti-Israel, anti-EUA e anti-Ocidente. São 5% da população mas recebem 40% da ajuda social. Entre 65 e 75% dos presos são muçulmanos. Os dirigentes muçulmanos não ocultam o desejo de estabelecer a charia. Dentro de 40 anos, 1 em cada 3 habitantes da Dinamarca professará a fé de Maomé. Os judeus são somente 6.000. O governo ignora deliberadamente o problema e impede qualquer tipo de atitude em defesa dos seus cidadãos, mesmo perante ameaças concretas recebidas pelos judeus do bairro de Norrebrl, em Copenhague.

Suécia: 1 em cada 22 suecos é muçulmano o que faz do Islão a segunda religião da Suécia. Já começaram as acções anti-semitas contra os 18.000 judeus e o aumento da criminalidade. É também neste país que funciona uma oficina islamista anti-semita – Rádio Islam –, do marroquino Ahmed Rami, com conexões a grupos revisionistas e neo-nazis.

Holanda: Este país permite a existência de grupos terroristas pela ausência de uma lei antiterrorista. Os muçulmanos são 15% da população. Daqui a 20 anos a maioria das crianças será muçulmana. Em Amesterdão, o nome mais escolhido para os recém-nascidos é Mohammed.

Itália: Um milhão de muçulmanos. Uma larga maioria dos crimes de violação e assassínio são cometidos por elementos da comunidade muçulmana, para os quais «limpar» o territórios dos cristãos não é crime na lei islâmica.

França: Em 1945 existiam 100.000 muçulmanos, hoje são 6 milhões numa população de 60 milhões. Daqui a 20 anos, 1 em cada 5 habitantes do hexágono será muçulmano. Grande parte dos actuais residentes em França nega-se a estudar e a trabalhar e vive dos subsídios estatais. 60% do universo prisional é islâmico. Registo de autênticas intifadas no final do Ramadão. Existem mais de 1.000 mesquitas no país. Nos subúrbios das grandes cidades, como Marselha, existem bairros onde a Lei francesa não vigora e as autoridades têm receio de entrar.

Alemanha: 3 milhões de muçulmanos, principalmente de origem turca. Começam a registar-se as primeiras iniciativas populares contra a construção de novas mesquitas.

Espanha: 800.000 muçulmanos, concentrados maioritariamente no sul, onde diversas organizações os enquadram, nomeadamente aos numerosos convertidos, trânsfugas do radicalismo/terrorismo de esquerda e direita. Objectivo primordial: reconquista do Al-Andaluz.

Bélgica: 500.000 muçulmanos, cerca de metade dos recém-nascidos pertence a famílias desta confissão. Nas últimas eleições locais, realizadas este mês, registou-se a eleição de dezenas de conselheiros municipais, transformando o Partido Socialista num verdadeiro cavalo de Tróia.

Portugal: Uma comunidade relativamente pequena proveniente das antigas colónias portuguesas –tem passado despercebida junto da opinião pública – começa a adquirir novas características sociais devido ao fenómeno da imigração que aporta muçulmanos de outras latitudes. A moderação dos seus lideres políticos e espirituais – maior que a dos seus congéneres europeus – começa a valer-lhe as primeiras críticas dentro da comunidade, como foi recentemente visível durante o conflito Israel-Hezbollah, durante o qual os mais extremistas pugnaram por um maior envolvimento e participação dos muçulmanos na contestação pública. A mesquita de Lisboa, construída com dinheiro maioritariamente proveniente da Arábia Saudita, mantêm algum contraste positivo quando comparada com as congéneres do arredores da capital. No âmbito da comunicação, assinale-se a existência da editora Al-Furqan, que edita livros e uma revista para a difusão do Islão, registando-se também a publicação de textos racistas e anti-semitas escritos por muçulmanos e neo-nazis. O editor Y. Adamgi tenta ter uma presença constante nos principais média portugueses através do envio de artigos de opinião que ocasionalmente são publicados. Apesar da perda da vitalidade que manifestava há uns meses atrás – provavelmente por se sentirem observados e lidos criticamente pelos infiéis – registe-se a existência de um portal islâmico, produzido e administrado por T. Habib. Existem ainda outros blogues/sites de muçulmanos mas sem relevo ou expressão.

Na EU vivem entre 14 e 17 milhões de muçulmanos. Basta que uma ínfima parte deles se aliste na jihad de «bin Laden» para que a nossa segurança fique seriamente afectada.

Ficam os números para que cada um medite e tire conclusões. É necessário ter precaução, é preciso ter uma consciência crítica. Os islamo-terroristas estão no meio de nós, como infelizmente já pudemos constatar.

Eurabian News / Observatório da Jihad

12 Comments:

At 13:28, Anonymous Anónimo said...

Lo de Andalucía se pone muy feo......

 
At 14:15, Anonymous Anónimo said...

Na EU vivem entre 14 e 17 milhões de muçulmanos. Basta que uma ínfima parte deles se aliste na jihad de «bin Laden» para que a nossa segurança fique seriamente afectada.

na EU vivem 461,500,000
de pessoas.basta que uma infima parte deles se aliste numa qualquer associacao violenta de extrema direita/esquerda,religiosa,racista para que a nossa seguranca fique seriamente afectada...

 
At 19:27, Anonymous Máquina Zero said...

Assustador!

 
At 00:05, Blogger pvnam said...

O caminho a seguir é o SEPARATISMO ÉTNICO:
------> 1) um espaço ( 50% ) de Competição Global;
------> 2) outro espaço ( 50% ) de Reserva Natural: para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones.
{ ver: separatismo-50 }


NOTA 1:
O Espaço de Competição Global (50%) será para aqueles europeus (a maioria: Parasitas Engenhosos -> vulgo Parasita Branco) que:
-1- Pretendem andar no Planeta a curtir mão-de-obra servil imigrante ao 'preço da chuva'...
-2- Pretendem andar no Planeta a curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma [apesar de... nem sequer constituírem uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!!!]

NOTA 2:
O Espaço de Reserva Natural (50%) será para aqueles europeus (uma minoria) que pretendem estar no Planeta - com dignidade, coragem e determinação - a Lutar pela Sobrevivência da SUA Identidade.

 
At 11:25, Blogger Fernando said...

Não sei o que me assustou mais, se foram estes numeros ou o fanatsmo implicito no teu blog.

 
At 13:24, Anonymous Jaï Bettancourt de Carvalho said...

Nas cadeias françêsas não são 60% de muçulmanos mas 70%, e esse numero pode atingir em certos estabelicementos 80%.

@ Para o menino José Costa.

Assustador são os 50 bagagistas expulsos dos aeroportos françêses, por terem relações com grupos extremistas, e até irem regularmente em campos de treino no Paquistão.

 
At 19:09, Anonymous Anónimo said...

Bettancourt de Carvalho, homem sensato.

 
At 20:19, Blogger Sliver said...

José Costa, vá pensando no assunto e quando souber o que o assusta mais, volte cá para nos contar.

 
At 10:51, Anonymous cruzado (JihadWatch) said...

Segundo Daniel Pipes pode-se estimar a fracção claramente extremista em cerca de 15% do total da população islâmica. A fracção que não sendo activamente extremista é complacente é muito maior.

 
At 12:33, Anonymous gajo porreiro said...

Ha mouros na Costa......?

 
At 21:33, Anonymous cruzado JW said...

"Ha mouros na Costa......?"

Carradas deles por toda a margem sul. Alguns têm muito dinheiro, e pelo aspecto muitos não parecem ser do tipo ocidentalizado (ou seja, pelo que vi muitos têm as mulheres "a la Médio Oriente", e nalguns casos "a la Arábia Saudita").

 
At 12:38, Blogger miazuria said...

Assustador e bem revelador dos propósitos a longo prazo dos muçulmanos na EUROPA!

Aprendamos com Israel!

Saudações

 

Enviar um comentário

<< Home